Bolsa de Valores de Mocambique
ARCO 100,00
ARKO SEGUROS 1.500,00
CDM 50,00
CMH 4.000,00
EMOSE 17,18
HCB 2,50
PAYTECH 3,00
REVIMO ----
TROPIGALIA 100,00
TOUCH 150,00
ZERO 20,00
2BUSINESS 1,00
MWIH ---
RGS AGRO ---
BAYPORT 2019 Série II 19,0000%
BAYPORT 2020 Série I 16,0000%
BAYPORT 2020 Série II 24,3000%
BAYPORT 2021 Série I 22,1400%
BAYPORT 2021 Série II 23,2000%
BAYPORT 2021 Série III 23,2000%
BAYPORT 2021 Série IV 22,82%
VISABEIRA 2020 20,0000%
OT 2005 S2 10,9100%
OT 2017 S6 20,0000%
OT 2017 S7 20,0000%
OT 2019 S1 6.6250%
OT Fornecedores 2019 7,5625%
OT 2020 S6 10,0000%
OT 2020 S8 20,1875%
OT 2020 S10 19,6250%
OT 2020 S11 5,1250%
OT 2021 S1 20,0000%
OT 2021 S2 19,3750%
OT 2021 S3 19,5000%
OT 2021 S4 19,1250%
OT 2021 S5 17,5625%
OT 2021 S6 19,5625%
OT 2021 S7 18,8750%
OT 2021 S8 19,0000%
OT 2021 S10 14,5000%
OT 2021 S11 5,1250%
OT 2022 6,2500%
OT 2022 S1 19,9000%
OT 2022 S2 19,0000%
OT 2022 S3 20,0000%
OT 2022 S3 19,5500%
OT 2022 S4 18,9000%
OT 2022 S5 17,0000%
OT 2022 S6 17,0000%
OT 2022 S7 17,7500%
OT 2022 S8 17,6250%
OT 2022 S9 17,750%
OT 2022 S10 19,0000%
OT 2022 S11 17,5000%
OT 2023 S1 19,0000%
OT 2023 S2 19,0000%
OT 2023 S3 20,0000%
OT 2023 S4 19,0000%
OT 2023 S5 16,0000%
OT 2023 S6 17,0000%
OT 2023 S7 17,0000%
OT 2023 - S8 16,0000%
OT 2023 S9 18,0000%
OT 2024 S1 18,0000%
OT 2024 S2 19,5000%
OT 2024 S3 18,0000%
OT 2024 S4 17,0000%
OT 2024 S5 17,0000%
OT 2024 S6 16,5000%
OT 2024 S7 16,0000%
BNI 2022 S1 20,0000%
BNI 2021 S2 13,1000%
BNI 2021 S3 15,0000%
BAYPORT 2022 Série I 21,9900%
BAYPORT 2023 Série I 23,2500%
BAYPORT 2023 Série II 22,0000%
PC BIG-2023-2024 15,5000%
PC BAYPORT 2023 S1 21,0000%
PC BAYPORT 2023 S1 23,7500%
BAYPORT 2023 - Série III 21,5000%
PC BAYPORT 2023 S2 22,0000%
ZAYA ----
PC ACESS BANK 2023-2024 S2 15,0000%
TRASSUS ----
RGS AGRO ---
Letshego 2023 S1 22,500
Letshego 2023 SII 22,500
Letshego 2023 SIII 22,500
ACESS BANK  2023-2024 - S3 15,0000%
PC FIRST CAPITAL BANK 2024 S1 14,0000%
PC FIRST CAPITAL BANK 2024 S2 15,0000%
PC BIG-2024-2025 14,0000%
OT 2024 S8 16,0000%

Teve lugar

, na quinta-feira passada, 14 de Setembro, em Maputo, o lançamento do “Research sobre Mercado de Capitais”, um relatório de análise de empresas com valores mobiliários cotados na Bolsa de Valores de Moçambique (BVM).

A cerimónia contou com a presença do Presidente do Conselho de Administração (PCA) de BVM, Salim Cripton Valá, que, na ocasião, destacou ser um instrumento de vital importância para o mercado, por traçar o perfil e desempenho das empresas, e servir de base para a tomada de decisão por parte dos investidores.

Para nós, foi muito importante esta pesquisa feita por uma empresa, no caso a Finantia, que trouxe uma visão independente sobre a HCB e Tropigalia, comparando com empresas similares de outros quadrantes do mundo. É, para nós, uma oportunidade de diversificar os canais de comunicação com os investidores, com o mercado, com os empresários e o público. Isto permite que o investidor tenha mais informação e, também, promover a educação e inclusão financeira em Moçambique”, disse Salim Valá.

A par de servir de barómetro para os principais players do sector, o documento visa contribuir para o aumento da literacia financeira, sobretudo no que se refere ao funcionamento do Mercado de Capitais.

O relatório centra a sua abordagem na Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), uma empresa do sector Empresarial do Estado do ramo energético admitida em bolsa em 2019, que, num passado recente, recorreu ao Mercado de Capitais para se financiar, através de uma Oferta Pública de Venda (OPV) de acções.

Para além da HCB, a Tropigalia foi objecto de análise do estudo. Refira-se que no ano passado a Tropigalia procedeu à venda de três milhões de acções, o equivalente a 10 por cento da sua estrutura acionista, através de uma Oferta Pública de Subscrição (OPS). 

Dentre as conclusões, salta à vista o facto de o preço de cada a acção da HCB estar hoje a ser avaliado abaixo daquele que é o seu valor real de mercado, tomando em consideração a actual performance da empresa e as perspectivas futuras.

“A conclusão mais evidente da avaliação da HCB é de que o preço da acção em bolsa não tem reflectido as perspectivas futuras da empresa (baseadas no seu histórico e nas projecções conservadoras dos indicadores financeiros face a esta) nem está em linha com as valorizações de empresas comparáveis, subavaliando o seu real valor”, refere o relatório.

 De acordo com o relatório, assumindo premissas verdadeiramente conservadoras, o valor da acção da Hidroeléctrica de Cahora Bassa “nunca deverá ser inferior a 4 meticais”. Recorde-se que, aquando da Oferta Pública de Venda, cada acção da HCB foi vendida a três meticais (3,00 MT).

Reagindo às conclusões do relatório, o Presidente do Conselho de Administração da HCB, Tomás Matola, começou por reconhecer a relevância das constatações patentes no documento, precisamente por reflectirem o quadro actual e, também, por irem de encontro com as preocupações da instituição.

Tomás Matola realçou que, sob ponto de vista operacional e financeiro, a empresa tem estado a apresentar uma excelente performance, uma realidade que contrasta com preço da acção no Mercado de Capitais. Perante este cenário, deixou a garantia de que será levado a cabo um conjunto de acções com vista a reverter o actual panorama.

“Ele foi preciso e identificou aquelas que são as nossas principais preocupações. A empresa tem estado excelente, sob ponto de vista operacional e financeiro. Entretanto, no Mercado de Capitais, a realidade é outra. Pela performance, o valor da acção devia estar acima do par, mas os números têm mostrado exactamente o contrário. Temos o desafio de contrariar esta situação, que desafia todas as teorias dos mercados financeiros”, reiterou Tomás Matola.

O “Research sobre Mercado de Capitais: O Novo Canal de Comunicação com o Mercado e os Investidores” foi elaborado pela Finantia, empresa de consultoria financeira que opera em Moçambique.

 

 
Fotos do Evento